A música na catequese – uma primeira aproximação para catequistas e artistas

A música na catequese - uma primeira aproximação para catequistas e artistas

Catequistas e artistas aproximando os novos meios de catequizar

Faça uma busca rápida no Google: música na catequese. Você verá o quão pouco temos de reflexão profunda sobre o assunto. Em geral, sugestões de videos com animações para crianças e textos com sugestões superficiais sobre aplicações (duvidosas) da música em nossos encontros de catequese.

Precisamos começar refletindo de maneira consistente e responsável sobre o assunto. Refletir sobre a música na catequese é deixar de lado o aspecto apenas do entretenimento em nossos encontros e, sim, perscrutar sobre a via da beleza da qual a música é serva dedicada.

A teologia não é a única linguagem para falarmos de Deus. A beleza oferece uma alternativa identificará com a tradição católica e com o que ha de mais essencial na humanidade. “Você tem fome de que?”, cantavam os Titãs ao fim dos anos 80, no tom libertário do fim da ditadura militar.

“A gente não quer só comida
A gente quer bebida
Diversão, balé!”

O ser humano tem fome e sede de beleza. O caminho da beleza é também o caminho da felicidade desejada por todo ser humano, a plena realização da nossa vocação no universo. “Gente é pra brilhar”, canta Caetano Veloso em uma das suas canções.

Veja também:
As 5 coisas mais importantes que eu aprendi com Elton John

Qualquer beleza salva?

“A beleza salvará o mundo”, é uma das frases mais conhecidas de Dostóievski e escrita em seu livro O Idiota. Mas de que beleza fala o escritor russo? Não é a beleza também ambígua? Não nos falam os textos da Sagrada Escritura do anjo da luz, vaidoso dos dons de que foi dotado?

Retornando a obra de Dostóievski, um trecho de outro livro por ele escrito, Os Irmãos Karamazov, retoma o sentido da frase, explicando-a: o ateu Ipolit pergunta ao príncipe Mynski como “a beleza salvaria o mundo”? O príncipe silencia mas vai junto a um jovem de 18 anos que agonizava. Ali, enche-se de compaixão e amor até ele morrer. A beleza aponta o caminho para o outro, este sensibilizar-se a existência humana, suas fragilidades e potencialidades. Sua imagem e semelhança com Aquele que é o Belo. Aquele que é fonte de toda beleza.

“A beleza artística desperta a emoção interior, causa arrebatamento em silêncio e leva a “sair de si mesmo”, em êxtase.”

Música e Catequese

“A catequese, no seu esforço de formar crianças e jovens, aproveita para desenvolver uma pedagogia da observação da beleza natural e das atitudes humanas fundamentais que se referem a ela: silêncio, escuta, admiração, interiorização, paciência na espera, descoberta de harmonia, respeito pelo equilíbrio natural, sentido de gratuidade, adoração e contemplação.” – A Via pulchritudinis, caminho privilegiado de evangelização e de diálogo, Conselho Pontifício para Cultura

Mais do que aprender cânticos que possam instrumentalizar a transmissão de conteúdos programáticos, pensar a música na catequese é pensar a catequese a partir da música e também, e não menos importante, pensar a música a partir da catequese.

Catequistas precisam redescobrir o caminho da beleza, da qual as artes oferecem um horizonte inesgotável. Artistas precisam reencontrar na catequese um sentido mais amplo para seu ofício, libertando da autorreferência sufocante e repetidora ad nauseam de louvores vaidosos.

Veja também:
Catequistas Brasil – uma partilha

Augusto Cezar Cornelius

Faça um comentário