O artista evangelizador em pedaços

O artista evangelizador em pedaços

O sentimento de um artista evangelizador

– Guto, sua avó foi internada agora e acho que está próximo o fim, tenta adiantar sua passagem, tá?

Desliguei o celular e subi no palco para um show da banda DOM em Brasília. Acontece com todos nós independente da profissão que temos. A diferença talvez esteja no que esperam de nós: fé, esperança, caridade, fortaleza, equilíbrio, mansidão, etc.

“Sabe lá o que é não ter e ter que ter pra dar…” – Djavan

Todo evangelizador já experimentou a aridez de não ter o que oferecer e estar diante de tantos que precisam de muito. Nesse momento, sempre me vem à mente as palavras do Mestre, dentre elas:

“Sem mim, nada podeis fazer…” João 15,5

Sim! Deus é tudo para todos! Quanto menos temos mais percebemos o quanto ele é tudo em nós. Mas não é o fim da estrada que me preocupa. É a dureza da caminhada e as baixas que recebemos durante a jornada que me angustiam.

Veja também:
As 5 coisas mais importantes que eu aprendi com Elton John

Quantos de nós desistimos diante da dor, do sofrimento, do julgamento, do pecado? E no entanto, nos diz São Paulo que nada nos separará do amor de Deus. Mas quantos de nós somos arremessados de lado, quando não pelas dificuldades da vida (sofrimentos inerentes a humanidade), muitas vezes o somos pelo julgamento do outro.

Vivemos a sociedade da alta performance, da máxima produtividade, o desejo insaciável pela maximização das nossas potências. Infiltra-se no ambiente missionário este pensamento que pode nos levar a uma intolerância com nossos limites.

Seria o missionário fragilizado pela dor, pela tentação ou pelo pecado um falsário da fé? Estaremos dando um contra-testemunho ao anunciar aquilo que nosso coração ainda não experimenta na plenitude?

“…Mas o que foi semeado em boa terra é o que ouve e compreende a palavra; e dá fruto, uma a cem, outro, sessenta e outro, trinta.” Mateus 13.23

Veja também:
Quando o evangelizador pensa em desistir

Trazemos a nossa fé em vasos de argila. Ser condescendente como mal jamais será louvável. Mas um certo olhar melhor dimensionado sobre nós mesmos pode não nos fazer sentir como vitoriosos realizadores nem fracassados. Muitas vezes, somos só humanos.

Que devolvam a nossa humanidade. Que lembremo-nos sempre que o mensageiro é sempre menor do que a própria mensagem.

“Even If You are Broken You Still Can Be a Piece of Art in Another Form.” 💙
-Rasha Kamil
Broken Porcelain Sculpture.
Artist: Bouke De Vries

Por Augusto Cezar

Faça um comentário