O que é vocação?

O que é vocação?

Vocação vem de vocare (chamado). Quando criança minha mãe gritava lá do quarto: Augusto Cezar Costa Cornelius! E eu sabia o que aquele chamado imperioso significava. Mas e quando Deus chama? Sua voz ressoa trovejando como a minha mãe na minha infância ou ela é chuva fina que insiste todo dia nos convidando ao recolhimento?

Vocação ou vocações? A resposta ao chamado de Deus exclui outras respostas e outros chamados? Deus chama só para uma coisa e de uma vez por todas? Ou continua nos chamando sempre é para muitas coisas diferentes? Tenho mais perguntas que resposta. Serei a pessoa certa para falar sobre vocação? Seria minha vocação real escrever para tantos? Ou vaidade?

Leia também:
Apresentando o projeto 2OU+
Criatividade – o mito romântico do criador e do fazer criativo

Ontem uma ex-aluna de violão me procurou. A sua pergunta foi formulada de forma tão casual como quem escolhe entre um pastel de queijo ou de carne: mestre supremo de todo o universo (sim, mesmo quando já não são mais meus alunos eu os obrigo a me chamar assim!) como faço para assinar com uma grande gravadora e ter uma carreira internacional? Diante da minha surpresa ela me confidenciou que sentia um “chamado” para isto.

Não tenho verdades. Tenho os meus dias. E comigo foi assim. Eu amava música!  Nem sabia o por quê mas amava. E na primeira aula o veredicto: você não tem ouvido musical – desista! Mas me perguntaram o que importava mais, minhas habilidades ou onde morava meu coração? Onde repousava meu amor? Eu segui o coração.

Um dia, minha mãe me matriculou no curso de Crisma. E eu entediado assisti a primeira aula já decidido a não voltar na próxima semana. Então,  a sala foi invadida já perto do final por jovens garotas lindas tocando violão e nos convidando para a missa! E óbvio que eu fiquei na missa. E no grupo jovem. Dei aula de catequese. Toquei em grupos de oração e todo o serviço pastoral que pudesse precisar de música.

E quando já era músico um dia apareceu uma menina. E a gente se amava muito e decidimos nos casar. Era nossa vocação! E pasmem! A vocação reaparecia de tempos em tempos em nosso matrimônio, cobrando responsabilidades e compromissos. Renovando votos e mudando rumos e objetivos. Porque o único sentido de toda vocação é o outro.

Mas a vocação não é para minha realização plena como ser humano e filho de Deus? Mas todos viemos para servir. O serviço é o verdadeiro poder. Todas as nossas vocações são para servir. Para lançar luz nas trevas do outro.

A vocação fundamental de todos nós é amar. Amar sem medida como disse o santo do séc IV. Amar e mais do que se consumar – se consumir neste amor. Amar mais do que podemos. Mesmo vendo através de espelhos. Amar sendo não mais quem somos mas o que Cristo que habita em nós.

Faça um comentário